quarta-feira, 22 de abril de 2009

Um parque de diversões da cabeça - Lawrence Ferlinghetti

Resolvi publicar aqui, além da produção de novos artistas/escrevinhadores algumas poesias/contos de autores consagrados. Assim como enriquecer nosso conteúdo, isto também pode ajudar a trazer novos internautas atrás de velhos poetas. Pra começar selecionei três poesias de "Um parque de diversões da cabeça" do escritor beat Lawrence Ferlinghetti. (Fred)

House Boat Days Never Play Cards with a Guy Called Doc 1993

10
.

Em toda minha vida jamais deitei com a beleza
confidenciando a mim mesmo
seus encantos exuberantes
Jamais deitei com a beleza em toda a minha vida
e tampouco menti junto a ela
confidenciando a mim mesmo
como a beleza jamais morre
mas jaz afastada
entre os aborígenes
da arte
e paira muito acima dos campos de batalhas
do amor
Ela está acima disto tudo
oh sim
Está sentada no mais seleto dos
bancos do templo
lá onde os diretores de arte encontram-se
para escolher o que há de ficar eterno
E eles sim deitaram-se com a beleza
suas vidas inteiras
E deliciaram-se com a ambrosia
e sorveram os vinhos do Paraíso
Portanto sabem com precisão
como algo belo é uma jóia
rara rara
e como nunca nunca
poderá desvanecer-se
num investimento sem tostão
Oh não jamais deitei
em Regaços da Beleza como esses
receoso de levantar-me à noite
com medo de perder de alguma forma
algum movimento que a beleza pudesse esboçar
No entanto dormi com a beleza
da minha própria e bizarra maneira
e aprontei uma ou duas cenas muito loucas
com a beleza em minha cama
e daí transbordou um poema ou dois
para esse mundo que parece o de Bosch



20.


Na confeitaria barata para além do El*
foi onde pela primeira vez
me apaixonei
pela irrealidade
Os drops reluziam na semi-obscuridade
daquele entardecer de setembro
Um gato deslizava sobre o balcão entre
pirulitos
e pães de forma
e Oh chicletes de bola

Lá fora as folhas caíam ao morrerem
O vento soprava para longe o sol

Uma garota entrou apressada
O cabelo molhado pela chuva
Seus seios sufocando na loja minúscula

Lá fora as folhas caíam
e gritavam
Cedo demais! Cedo demais!

*El: a elevada do metrô.(N. do T.)


28

Dove sta amoré
Donde está o amor
Dove sta amoré
Aqui jaz o amor
Amora jazz amor
Num lírico encanto
Cantos de amor da serra
Canto que em si se encerra
Cantos de cor singela
Cantos de dor sincera
À noite pelos cantos
Dove sta amoré
Aqui jaz o amor
Amora jazz amor
Aqui jaz o amor

Tradução dos poemas: Eduardo Bueno

Um vídeo:

Participação do poeta com "Last Prayer" no último show da The Band, grupo que ficou famoso por acompanhar Bob Dylan

Uma imagem:
Samothrace with Rainbow, 1992, Lawrence Ferlingheti

O americano Lawrence Ferlinghetti (24/03/1919) é poeta, tradutor, pintor e co-fundador da editora e livraria City Lights, responsável pelo lançamento de diversas obras fundamentais da literatura beat. Seu trabalho mais famoso é "Um parque de diversões da cabeça", de 1958.

=>Nós queremos sua arte! Mande para clube.ideias@gmail.com

4 comentários:

Fred Di Giacomo disse...

Quem tiver sugestões de outros poetas bacanas para destacarmos, grite!

Renato, Odara disse...

Minha alma beat bate forte!

Bárbara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bárbara disse...

Tu podias colocar algodepoetas nacionais... Dos gringos minha sugestãoé o E.E. Cummings! beijos