quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Mais uma noite - Eleutherius

_Nossa como está frio!!
- Está mesmo.
- Boa noite, senhor...

O vento gelado envolve meu corpo, nossa como está frio, sinto arrepios, apenas uma camiseta preta... Puxa, devia ter ouvido minha mãe: "_ Leva a blusa que vai fazer frio", dona Maria uma rainha!!! Quando não as ouvimos a gente se fode!!!
Mais uma noite, mais alguns trocados, assim logo terei minha carta de habilitação, R$ 1000,00 conto, puta que o pariu, caro pra caralho.

_ O parceiro aonde é o banheiro?
_ É logo ali...

Putz, nem um obrigado. Pessoas começam a entrar, estou só essa noite, que Deus me proteja, e São Jorge também, tenho confiança nele, já me salvou de várias tretas.

_ Pois não, senhor?
_ Opa! Tranqüilo? Viu... Quantas mulheres tem hoje?
_ Hoje estamos trabalhando com seis, senhor...
_ Humm, bom... Quanto é a entrada?
_Senhor R$ 10,00 e tem direito a três cervejas!
_ Porra, tá caro!!!
Mão de vaca do caralho, tem quatro fazendas, canavieiro, tem dinheiro e tá reclamando.
_ Eu pago, vou entrar
_ Sim senhor, aguarde que vou efetuar a revista no senhor...
_Tem isso também?
_ Senhor, guarde a arma no carro, por favor.
_ Olha garoto vou ficar com ela
Puta merda, só falta encrencar agora.
_Senhor... Com arma não entra.
_Faz assim, fica com ela pra mim, depois eu pego.
Nossa, mais uma, já não basta a minha? Cara folgado...

Ambiente escuro, a música toca na máquina, mais R$1,00, mais uma música... Assim a madrugada vem, lenta e traiçoeira...Me assusto com uma barata no meu pé, filha da puta vou te dar um tiro. Clientes e mais Clientes, homens casados, homens separados, homens... Todos solitários e carentes, sem sorte no amor, frustrados.
Puxa mais um strip-tease, cansei de ver, vou ver a lua, faz tempo que não a vejo.

_Luciano tem um cara cheirando no banheiro, porra, te pago pra que?
Nossa! Mas já? Parece que noite vai ser longa.
_ E ai, irmão, firmeza? Então, se quiser cheirar vai lá fora, aqui não dá.
_É rapidinho, só tem uma carreira. É um, dois!!!
_ Não dá, ou você cheira, ou você vai embora.
_ É rapidinho.
Não acredito que ele vai encher minha paciência logo agora.
_ Você vai cheirar? Então deixa eu ver essa carreira...
O idiota ainda mostra. Uma carreira grande e gorda em cima da tampa do sanitário.
Fuuuuuuuuuuuuuhhhhhhhhh, um leve assopro, que dó!!!
_Caralho, irmão, era meu último papelote
_Foda-se, pra fora!!!
_Firmeza... Vou te encontrar ainda.
Nossa, mais um, acho que ele vai ter que pegar senha, a fila pra me matar ta grande.

Volto para a portaria, de um lado um copo de uísque, do outro um recipiente com alho e sal grosso, espanta mal olhado e atrai mais cliente. Estou com fome, que horas são? Quase 2 da manhã, nossa tem chão ainda pra noite acabar...
Adoro essa música, Jenifer Lopez; Love Don't Cost a Thing, já sei quem a colocou... Primeira dedução e acerto, olho à máquina de música e lá está ela, Luciana. Morena clara, estatura mediana, cabelos até os ombros castanhos claros, hoje ela está mais moderada, veste um vestido branco um palmo antecedendo o joelho, sem sutiã, com uma sandália de salto. (risos) Sou louco por ela, meus olhos brilham ao notar sua presença, um leve sorriso aparece no canto da minha boca, tento esconder a satisfação em vê-la, mas não dá, pareço um pit bull ao ver o dono.

_Olá moço, tudo bem? Me dá um abraço.
_Oi, como você está?
Abraço ela e sinto seu cheiro...O pecado da minha vida!!! Ela me dá um leve beijo, fico parado e aproveito o momento, logo volto a mim e percebo que alguém se aproxima, é o patrão!!! Fudeu, ele não gosta que me envolva com as meninas em hora de serviço, espanta os clientes.
_Vai para a portaria Luciano.
_Sim, senhor!!!
Nossa, falo senhor o tempo inteiro, quando será que me chamarão de senhor? A última vez que me chamaram de senhor, foi quando o sargento no quartel me colocou de guarda: "Parabéns, Senhor, acaba de ganhar um final de semana no quartel !!!". Gente fina o sargento, ensinou-me muitas coisas.
_ Briga!!! Briga!!!
De repente ouço gritos, minha barriga gela, meu coração dispara, os olhos começam a ficar vermelhos... É agora, a adrenalina domina meu corpo, em instantes chego no balcão, a confusão está armada, são dois, respiro, consigo dominar um, o outro se afasta, levo o cliente pra fora, ele nada fala, segue em direção ao seu carro, abre a porta e mexe debaixo do banco, sem vacilar pego minha arma engatilho e espero... minhas pernas tremem...a respiração é incontrolável...quando ele se levanta vejo um objeto em sua mão, não consigo identificar, ele se aproxima...mais um passo e revelo meu guardião.
_Aí, irmão, perdeu, fica parado ai mesmo, larga isso e deita no chão...
Ele não obedece...
_Parado, porra, caralho, parado!!!!
Parou, largou o objeto e deitou-se... Puta que o pariu, era um simulacro, uma arma finta, arma de brinquedo!!!
_Seu merda, ia me matar com isso?
Dou um tiro para o alto...
_Corre seu cuzão, entra no carro e vaza!!!
Em minutos ele não esta mais lá... Não foi dessa vez, agradeço a Deus e a São Jorge pela proteção, estou cansado, a adrenalina em excesso cansa, volto para dentro do estabelecimento e olho no relógio, são 5 horas, acabou.
_Ae, tio, tá na hora, passa o cadeado na porta.
_Sim, senhor...
Mais uma noite, mais alguns trocados.

Gilvan, vulgo Eleutherius, foi baterista da banda Militantes, cantou rap, participou do movimento estudantil em Penápolis e foi segurança dos mais variados tipos de estabelecimento. Faz poesia boêmia e marginal no blog Cicatriz Urbana

=> Quer ter seus contos publicados no nosso clube? Mande e-mail para clube.ideias@gmail.com

5 comentários:

Ricardo de Faria disse...

Puts...
Visualizei os momentos!
Isso está impreguinado na sociedade...momentos assim de adrenalina e muitos anceios.
Firmeza Gil....
Parabéns mais uma vez!

Fred Di Giacomo disse...

Vc devia escrever mais contos autobiográficos assim :-)

Bárbara disse...

Esse tipo de história dava um livro, e que livro! Fiquei super envolvida com a narrativa - e olha que, como mulher, puteiro não é um dos meus assuntos preferidos!

Eleutherius disse...

Obrigado!!! Fui segurança durante 4 anos, no decorrer desse periodo muita coisa aconteceu, espero contribuir novamente para esse blog maravilhoso, há pretensão de escrever mais contos sobre as noites em que trabalhava.

Fanzine Episódio Cultural disse...

Olá, meu nome é Carlos Roberto de Souza. Sou autor do livro O anjo e a tempestade, publicado pela Editora Insanno (www.editorainanno.com ). Assino o livro como Agamenon Troyan.
Sou editor do Fanzine Episódio Cultural, um jornal sem fins lucrativos voltado exclusivamente à cultura. Está aberto para poetas, escritores, atores, atletas, músicos, compositores e outros...

A) O que é o Episódio Cultural?
É um jornal bimestral sem fins lucrativos cujo objetivo principal é divulgar todas as manifestações culturais, e proporcionar um espaço gratuito para que as pessoas possam divulgar seus trabalhos.

B) Qual a tiragem?
2 mil exemplares, distribuídos gratuitamente na região sul de Minas e em alguns países de língua portuguesa.

C) Qual a participação do leitor?
O leitor - seja ele artista ou não -, pode participar como colaborador enviando (via e-mail) poemas, contos, biografias, matérias de cunho cultural. Junto ao texto, uma foto para o seu perfil.

D) Quero ser colunista. O que devo fazer?
Basta mandar seus textos a cada dois meses. Você pode dar um nome à sua coluna se quiser.

E) Onde encontro na Internet?
Acesse o site www.portaldemachado.com para baixar as últimas edições em arquivo pdf.


Contato:
Carlos Roberto de Souza
(35) 3295-6106 (Machado-MG)
machadocultural@gmail.com

Visite os sites/blogs
www.myspace.com/tarokid2003
http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com

Revista do Cinema Machadense (my cinema magazine)
http://www.youtube.com/watch?v=msoR2iUr-8M

Meu (my) Orkut:
http://www.orkut.com.br/Profile.aspx?uid=5139852101387050511