quarta-feira, 17 de junho de 2009

Cheiroso - Cidadão das Nuvens

-Leia mais poesias do Cidadão das Nuvens

Para Delourdes de Jesus (vó)


O travesseiro que herdei da infância
- e até hoje descansa a minha cachimônia -
nada tem do tempo
em que éramos bebês.

Cheiroso nasceu em São Paulo, 1983.

De seu primeiro manto (fronha)
nenhuma especulação,
lenda ou fotografia ;
o retalho e a linha
substituídos no primeiro transplante,
aos onze anos de idade ;
engorda-lhe-ia algodão,
ao invés de espumas,
não fossem afiadíssimos
os dentes que, fatidicamente,
esvaziaram-no
na virada do milênio.

Moldado, pouco a pouco,
em cirurgias necessárias,
notei-lhe o novo apenas
ao achar, dia desses,
um olhar
de parente distante
na bagunça do chão.

Querido e criminoso tempo,
seu capanga - disfarçado, quase sempre
de rotina - levou a fronha
do Cheiroso, o retalho
do Cheiroso, a linha
e o algodão do Cheiroso.

Ele que não ouse,
jamais, levar
- fruto do sopro
de minha avó costureira -
a alma do Cheiroso :

tudo que lhe resta
do dia do presente.

Renato Silva é um estudante de letras, está formando um grupo de poetas em sampa, ama o São Paulo e torresmo com cerveja. Não acredita no homem em si, mas crê na humanidade. Adora que o chamem pelo nome, mais ainda quando pelo "codinome": Cidadão das nuvens. Você pode ver mais poesias dele no seu blog

=>Faça como como o Renato e mande suas poesias para clube.ideias@gmail.com

3 comentários:

Bárbara disse...

Adorei! Poderia até estender a homenagem ao meu "Cheiroso" - que se chama Nani! ;)

Clube das Idéias disse...

Lirismo das coisas boas e simples

Re Alves disse...

Incrível como a gente projeta lembranças tão boas em coisas aparentemente insignificantes... isso aos outros, mas para nós elas são jóias raras. Sei como é isso. Parabéns pela poesia!