quinta-feira, 16 de abril de 2009

Amor nosso de cada dia - Bárbara dos Anjos

O amor que mora na casa do lado está morrendo.
Romântica que sou, detesto ver um amor morrer.
Fico nostálgica pelos outros.
Triste pelo vazio que vai ficar.
O vazio de risadas, danças e de brilho nos olhares.
Fico temerosa pelo tempo em que a tristeza pode morar ali, tão pertinho.
E não quero pensar nem por um momento que amor da minha casa pode acabar.
Ele é tão lindo, tão puro, tão tudo-aquilo-que-eu-sempre-sonhei. Tão amor.
Mas logo escuto sorrisos na casa ao lado.
Vejo flores renascerem.
Escuto novas músicas para se dançar.
E percebo: toda vez que um amor morre nascem pelo menos mais dois no seu lugar.
É disso que amor vive.
De se dividir. E de se multiplicar.
Até bater de novo (e pra sempre) em todas as casas da vizinhança.

Bárbara dos Anjos é jornalista, gaúcha e libriana. Acha que está saindo de um bloqueio criativo. Mas como boa libriana está meio insegura. O que você acha?

=>Mande sua poesia pra gente também! Escreva para clube.ideias@gmail.com

6 comentários:

Filhas da Pagu disse...

Parece que o amor reveza de casas... se é tão sublime, por que tem que ser assim?

Está saindo de um bloqueio criativo Bárbara? Conta como por favoOOOr!!! rs

Bjs,

Karol

Nivia disse...

adoro nosso amor,
amo nossos dias.
muito feliz em ler-te "coelho"
beijos!

Fred Di Giacomo disse...

Acho bonita sua vida cheia de esperança do mundo =)

Elis disse...

Lindo!

Ana Alice disse...

que bloquei criativo, meu deus? essa aí tá na flor da idade poética. parabéns!

descalça disse...

mto bom, barbara!
:)