sexta-feira, 29 de maio de 2009

Mulheres I: Anjas Tortas - Frico Giacomo/Gabriel Gianordoli

Parceria arte/texto de Frico e Gabriel. 

_Nossa, não tem coisa mais feia que um pau mole...
_Verdade, não tem coisa mais broxante, né?
_Pau mole de namorado a gente até tolera, mas se for um cara nada a ver, é duro...
_É mole!
_ He, he, he, aquele negócio, pequenininho, todo enrugado…
_ Parece a cabeça de um peru, sei lá!

Riram.

Eram duas, uma chamava Luísa, e a outra Luísa. Eram amigas, desde o colegial. Uma tinha cabelos compridos e castanhos e a outra, cabelos curtos e loiros. Uma tinha olhos negros grandes e a outra, olhos verdes e pequenos. Uma tinha um metro e oitenta e a outra um metro e sessenta e quatro. Uma tinha namorado um cara chamado Alex, a outra namorava um cara chamado Alex. As duas sempre. Inseparáveis.

Luísa grande era poeta e Luísa pequena era jornalista. As duas tinham bebido alguns copos a mais de vinho e estavam muito felizes por se verem de novo. Moravam em cidades distintas. Desceram do carro de mãos dadas, estavam entrando em um bar. Vinham de um café onde a antiga turma tinha se encontrado.

_Você deu um selinho na Carol, lá no bar, né?
_Eu dei, por quê?
_Eu também quero, he he he. Você nunca me deu um selinho...
_Que, que tem, Luisa?
_Me da um agora?
_ Aqui, no meio do bar?
_É, eu quero um beijo, agora!
_Tá, bom.

Luísa pequena encostou os lábios na boca de Luísa grande, meio sem jeito, e deu um beijinho estalado. As duas riram embriagadas. Luísa pequena tinha conflitos e dúvidas sexuais. Luísa grande gostava de homens, mas já tinha transado com outras meninas.

Ana tinha cabelos vermelhos como fogo, pele branca coberta de sardas, bunda grande, coxas grossas. Vinha de São Paulo, universitária. Conheceu Alex num dia qualquer: Ele caçando mulheres de asas, com rede e chapéu de explorador, e ela voando pelo mundo livre. Um dia, ficou trancada pra fora da casa. Eram vizinhos. Tocou a campainha. Pediu pra ficar ali até que suas colegas chegassem. O moço era psicólogo, recém formado. Estava desesperado atrás de uma fada. Olhou Ana de cima a baixo, tinha um belo corpo e asas vermelhas com sardinhas. Talvez fosse uma fada disfarçada. Não podia saber. Conversaram a noite inteira.

Aquele ritual foi seguindo, noite após noite. Ana parecia ser uma menina inteligente que se interessava por música e poesia. Também gostava de ver revistas de mulheres peladas e ir a bares gays. Tinha um anel de virgindade, uma espécie de pacto com a mãe de que só transaria depois de casada. Dizia que era uma coisa na qual acreditava. Pertencia a uma igreja americana, mas tinha jeito de quem não tem religião alguma. A não ser pelo tal anel de virgindade, Ana transbordava sensualidade pelos poros, em uma contradição provocante. Gostava de abraçar, falava segurando a mão e olhando nos olhos. Comentava de sexo com desenvoltura. Contou que um dia passou por um trauma e perdeu a memória de um ano.




A duas brigando pela última vez, lágrimas nos olhos da mais nova. “O homem que eu mais amei em minha vida foi ELA”. Tinham conhecido-se em uma noite tocando piano. X era técnica pura, Y improviso. As duas se revezavam a quatro mãos. X tinha namorado quatro garotas. Y beijava as amigas por diversão. As duas descarregavam toda a tensão sexual naquele piano. Bebiam vinho e conversavam sobre Chico Buarque e poesia.

Y levantou-se e foi até a cozinha pegar mais vinho. Seco, só tomava tinto seco. X foi atrás, cabelos esvoaçantes, corpo cheirando libido. Encontrou Y tomando seu vinho tranqüila, encostada na pia. Beijou-a. Y a afastou, olhou com uma cara de dúvida. X atacou-a de novo, agora com mais vontade. Os braços envolventes, as mãos explorando o corpo pequeno de Y. Tocou lhe na vagina, por baixo da saia. Molhada. Afastou a calcinha com os dedos e passou a estimular o ponto sobressalente. Gemidos abafados. Tinham medo que alguém ouvisse. Y estourou num orgasmo contido. X gozou só de vê-la daquele jeito. “Como nenhum homem jamais havia feito se sentirem antes!”

X e Y namoraram um ano. Y buscava X todos os dias na escola. X queria casar com um homem e ter filhos. Y transava com o melhor amigo de vez em quando. X sentia-se traída quando Y chegava em sua casa com cheiro de sexo no corpo. Cheiro de testosterona. Y sentia-se frustrada por X planejar um pacato futuro com um homem e crianças. Achava hipocrisia. Terminaram numa tarde ensolarada, em um passeio pelo museu de arte. Y partiu sem dizer nada. X engoliu as lágrimas e as transformou em câncer.

Alex olhou Ana nos olhos e beijou-a. Ela fechou a boca. Não queria, disse que ia magoá-lo. Ficaram nesse jogo por uma semana. Ele tentava e ela refutava. Dava beijo de novela, selinho, passava sua língua na dele. Era um jogo de sedução acirrado. Alex amava Luísa pequena, porque sabia que ela era uma fada. Só que não conseguia conversar com a moça. Sentia-se de novo no ginásio, cheio de espinhas e tímido. Quando desistiu de Luísa pequena, Ana entrou por sua porta pedindo pra ficar.

Um dia Ana cedeu e os dois passaram a viver juntos. Ela não saía de sua casa. Dormia lá e eles ficavam horas se esfregando. Ela gostava de lutar na cama. Ele tinha que domina-la e isso o excitava muito. Não passavam do ponto X por causa do anel de virgindade. Um dia Ana falou que tinha namorado várias garotas e só era virgem de homens. Ela dizia que Alex tinha cílios de uma mulher e um jeito feminino. Alex ficou perplexo e foi a uma festa com Ana. Luísa pequena estava lá. Tinha tomado um ecstasy. Ele largou Ana e foi atrás de Luísa. Os dois beijaram-se.

Já fazia tempo que Luísa pequena e Alex não transavam. Ela não conseguia gozar e não sentia vontade de fazer sexo. Gostava de visitar Luísa grande e as duas ficavam bem abraçadas uma com a outra. Conversavam sobre tudo e Luísa pequena sentia-se bem. Às vezes Luísa grande pedia-lhe um selinho e Luísa pequena dava. A mãe de Luísa pequena tinha medo que a filha fosse lésbica e ficava feliz quando a menina arrumava um namorado.

Ana só tinha amado um homem na vida. Era Alex. Alex só tinha amado uma mulher na vida. Era Luísa pequena. Luísa pequena achava que nunca tinha amado ninguém, mas gostava de Luísa grande. E gostava um pouco de Alex.


Naquela noite tentaram mais uma vez. Sem camisinha. Alex colocou dentro, e ela começou a se empolgar, ficou com vontade de gozar. Mas na hora, lembrou que estavam desprotegidos, teve medo e broxou. Pediu desculpas para o rapaz. Ele virou pro lado, acendeu um cigarro e desceu até a garagem para pensar na vida. Não entendia as mulheres. Nenhum homem entende as mulheres. A culpa do lesbianismo no mundo devia ser dos homens. “A gente nunca faz uma mulher gozar de verdade”. “A gente nunca faz uma mulher gozar de verdade”... Luísa pequena sentiu-se aliviada por Alex descer. Não gostava de ver um pau mole. Levantou-se e foi até a geladeira. Apanhou uma maçã e ficou comendo o fruto do pecado, completamente nua. Tinha um belo corpo. Era pequena, mas tinha seios e nádegas fartas, cintura marcada. Tinha um belo corpo de bailarina. Viu a porta entreabrir-se.

Naquela noite, Ana sentia-se só. Resolveu ir até o apartamento de Alex. Abriu a porta e viu Luísa, nua, comendo uma maçã. Conheciam-se de vista. Ana tinha ciúmes de Luísa, mas naquela hora não viu Luísa, viu Y. Olhou seu corpo de baixo pra cima. Partiu pra cima dela, com classe. Sabia dominar uma mulher. Usava sua língua como nenhum macho sonhava. A maçã rolou, vermelha, pelo chão. Luísa pequena fechou os olhos e deu um sorriso. Ali, Ana parecia Luísa grande. Eram duas mulheres lindas, rolando pela sala da casa. Ana dominava Luísa pequena. Esta tirava a roupa de Ana: camisa, jeans e calcinha preta. Ficou fascinada com seus pelos pubianos vermelhos. Quis tirar uma foto. Luísa pequena era jornalista e sempre andava com sua máquina fotográfica. Ana fez pose e depois beijou seu corpo inteiro, os dedos dos pés, as batatas das pernas, as coxas... Sua língua tateava o corpo da outra como se cada parte fosse a mais importante. A pele de Luísa pequena era macia como seda e a língua de Ana a fazia arrepiar. A parte interna das coxas e a vagina, até Luísa gozar. Depois passou para barriga, seios e quando chegou na boca as duas já se amavam. Deram um beijo forte e intenso que durou alguns minutos. Ai, Luísa pequena já sabia o que era amor e se libertou por completo. Partiu para cima de Ana e as duas ficaram lutando ali no chão por anos luz seguidos. “A camisinha e o tempo são invenções do Homem” pensou Luísa pequena. “A camisinha e o tempo são invenções do homem, com h minúsculo” corrigiu Ana. E as duas eram mulheres, ponto! Venceram preservativos e ampulheta. “Transar sem se preocupar com camisinha e tempo é bem melhor” concluiu Luísa pequena.

Alex sentia-se um ignorante em relação às mulheres. Ana achava que ele tinha jeito de mulher. Mas ele tinha pau, e quando ficava mole era feio. Ele estava triste e tinha medo que todas mulheres que se envolvessem com ele virassem lésbicas. Tinha largado Ana por dois motivos: medo da responsabilidade de transformá-la hetero e amor por Luísa pequena, mas agora parecia que Luísa pequena estava seguindo o caminho inverso. Os dois nunca tinham tempo. Estavam sempre correndo contra o relógio e isso atrapalhava sua vida sexual. Alex tinha que resolver os problemas de seus pacientes e Luísa pequena tinha que tirar milhares de fotos para o seu jornal. Um analisava a vida e a outra retratava a vida, mas nenhum dos dois tinha tempo para viver a vida.

A porta da sala se abriu, mas as duas nem se importaram, pareciam um Ying Yang vermelho e amarelo, com uma cabeça de cada lado. Alex ficou estático: não sabia se chorava ou gozava. (29/06/05).

Frico tenta convencer Gabriel Gianordoli a ilustrar suas palavras desde que se conheceram em 2006, na editora Abril. Os dois montaram uma banda juntos, mas só conseguiram realizar a parceria arte/texto, quando o fã de Manara, Gabriel falou que gostaria de ilustrar um "conto erótico" e Frico, fã de Henry Miller, desenterrou essa história de 2005, retrato das mulheres que povoam e atormentam nossos inconscientes.

=> Queremos seus textos e suas ilustrações! Manda pra clube.ideias@gmail.com

3 comentários:

descalça disse...

mto bom, parabéns, meus queridos!
:D

Fred Di Giacomo disse...

Valeu, Sa!

Bárbara disse...

adoro esse conto e ficou muito legal casado com as ilustras!